RIUIS

Titulo original Self-Transcendence Scale (STS)
Autor da versão original Pamela Reed (1989)
Autores da versão portuguesa e email de contacto Kraus TM, Dixe MA& Rodrigues

Email de contacto – teresa.kraus@ipleiria.pt

Condição de saúde/objetivo Contexto: A STS constitui-se um recurso básico para a promoção da saúde mental e espiritual da pessoa a partir da idade da adolescência, sendo especialmente vocacionado para situações de maior sofrimento.

Objetivos: Avaliar a auto transcendência; Promover a capacidade de expandir os autolimites.

População alvo Todas as pessoas com o diagnóstico de dor reumática crónica (artrite reumatoide, espondilite anquilosante, artrite psoriática e fibromialgia).
Dimensões F1 – Ambiente interno;

F2 – Ambiente externo e temporal.

Itens 10 (STS-P).
Sistema de pontuação A pontuação para cada item varia entre “1 e 4”, correspondendo “1” à discordância absoluta da proposição e “4” à sua aceitação plena. Face ao sentido das afirmações propostas, os participantes que obtiverem maior somatório de pontos terão à partida uma melhor autotranscendência.
Propriedades psicométricas Fidelidade do Instrumento:

Consistência interna da STS-P (valores globais), para n= 187:

Coeficiente Alfa de Cronbach Total (α): 836

Coeficiente Alfa de Cronbach dos Fatores: F1: 0,796 e F2: 0,725.

Validade do Instrumento:

Resumo dos resultados da análise em componentes principais:

% total de variância explicada por fator: F1, 30,21; F2, 22,72%.

% total de variância explicada: 52,92%

KMO=,853; Teste de Esfericidade de Bartlett = 548,595; p=0,000

Estabilidade temporal

Correlação de Pearson entre a 1ª e a 2ª aplicação – 0,828

Modo de preenchimento auto preenchimento
Tempo de preenchimento 5 minutos
Principais referências bibliográficas Kraus, T. (2014). Sentido de vida da pessoa com dor crónica. (Tese de doutoramento). Universidade Católica Portuguesa.

Reed, P. G. (1989). Mental health of older adults. Western Journal of Nursing Research, 11, 143-163.